• fb_icon
  • insta_icon

#livreirinha

Todos os direitos reservados © 2016 - 2018 · Livreirinha | Literatura infantil e infantojuvenil

FNLIJ 2018

17/05/2018

 

Confira a lista dos premiados!
 

 
Semana passada foi anunciado o 44º prêmio FNLIJ.

Foram 15 categorias premiadas entre melhor ilustração, reconto, poesia, adaptação, entre outros.

 

Fique por dentro dessa seleção incrível!

 

A QUATRO MÃOS, de autoria da mineira Marilda Castanha, foi o título ganhador da categoria Hors-Concours. Marilda é autora e ilustradora de outros livros belíssimos, um deles ganhador do Jabuti de Ilustração. Neste livro, Marilda quis contar a história das mãos que passam pela nossa vida. Mãos de pessoas que nos ajudam, que nos criam; que cuidam da gente, que nos ensinam coisas. Nesta história, um pai e sua filha crescem e mudam juntos, durante um longo caminho. Independente das mudanças, eles continuam de mãos dadas. Agora, pensamos que esse pai e essa filha tem idades distintas, percepções diferentes sobre a vida... E a grande personagem que os separa é o tempo. E tempo, como sabemos é algo bem difícil de se trabalhar com as crianças... Mas Marilda traz a doçura dessa visão da criança através das suas palavras, com pura poesia. Em artigo sobre o livro, Bia Reis e Cristiane Rogerio, conhecemos um pouquinho mais sobre essa publicação.

 

 

 

O PASSEIO, da editora Gato Leitor, escrito por Pablo Lugones e ilustrado por Alexandre Rampazo, foi o vencedor na categoria Criança. O livro é de uma simpatia só! Ainda não passou pelas minhas mãos, confesso, mas pude dar uma espiadinha nele por aqui e, já nas primeiras páginas, me encheu de emoção! O livro traz as sensações de uma menina na companhia de seu pai, a partir do momento em que ele dá um "empurrãozinho" em sua bicicleta. O passeio continua e a história também. Ansiosa por aqui!

 

 

 

 

ROSA, escrito e ilustrado pelo incrível (super!) Odilon Moraes foi ganhador do prêmio Criança e de melhor ilustração. Eu sou suspeitosíssima para falar. Sou fã de Odilon Moraes em todos os sentidos, desde suas

construções narrativas até cada traço de suas ilustrações. Perguntem, claro, porque não falo muito dele por aqui? Bem, muitas questões. Primeiro mesmo porque sou fã e fico insegura de indicar algo que gosto muito. Sim, sim, acreditem. E outras já não sei dizer, tenho os livros e as resenhas feitas por aqui, mas devo estar sendo de fato muito egoísta em não compartilhar tal tesouro. Mas o livro Rosa, quando chegou em minhas mãos no ano passado, me tomou de supetão em um sentimento que ainda não tinha tido. Era uma referência direta e indireta sobre Guimarães Rosa. No nome e na história, Odilon se tomou do clássico Terceira Margem do Rio, para trazer a história de um pai e filho que se desencontram (e encontram, será?). O incrível do livro, que eu já sabia que seria ganhador da FNLIJ em alguma categoria, é a dupla narrativa. As ilustrações acontecem em tempo distinto ao que se lê na história, e ambas vão se complementando em idas e vindas nas referências do sertão de Guimarães. E apesar de no primeiro momento eu ser pega pela velha indagação "seria esse livro um livro para crianças?", eu me via na contramão do que eu mesma acreditava - Mas o que é de fato um livro para crianças? Existe esse limite? É, Odilon nos mostra que não!
 

Prometo, sai no Livreirinha logo-logo!

 

 

DE FLOR EM FLOR, ilustrado à quatro mãos por JonArno Lawson e Sydney Smith, é outro livro premiado da editora Companhia das Letrinhas para este ano. Vencedor da categoria Imagem, o livro sem-texto é poesia pura! Entre cores e monocromatismos que transmitem a sensação das emoções por onde passa uma simpática criança, vamos acompanhando, de flor em flor, o que um simples gesto é capaz de fazer. Sou fã de livros sem texto, até porque muitas vezes eles nos enchem de questões, muito mais do que aqueles escritos. 

 

 

 

OS TRABALHOS DA MÃO, escrito por Alfredo Bosi e ilustrado por Nelson Cruz, outra referência magnifica da nossa literatura infantil, foi livro ganhador da categoria Informativo. Editado pela Positivo, o livro fala sobre tudo aquilo que fazem as mãos - desde sempre, elas são agentes e responsáveis por grandes e pequenas coisas: são com elas que cumprimentamos uns aos outros, escrevemos cartas, nos comunicamos com quem não pode falar, traz as crianças ao mundo, trabalha no campo, na cidade, etc. Quase como um livro de história, Alfredo Bosi nos traz o papel das mãos em nossas vidas. Ainda não o li, mas fiquei intrigada com a parceria que temos nesse livro. Alfredo Bosi é referência em crítica literária e Nelson Cruz já há tempo, ilustrador de livros premiadíssimos. Curiosa, por aqui!

 

 

 

O MAR DE CECÍLIA, escrito e ilustrado por Rosinha, foi ganhador do prêmio Poesia. Editado pela Editora do Brasil, o livro traz um caminho de pura poesia visual pelos poemas de Cecília Meireles. Não conhecia esta edição, infelizmente são tantas as publicações que as vezes não temos tempo de conhecer todas. Fiz esses dias uma publicação sobre Cecília Meireles pois a autora é referência primeira quando pensamos em poesias para crianças. Rosinha, ilustradora e autora de diversos títulos infantis é também, nome premiado com suas publicações. Para saber mais sobre o livro, da uma olhadinha neste booktrailer.

 

 

 

CONTOS DE MOÇAMBIQUE, foi ganhador do prêmio Reconto. Adaptado por Luana Chnaiderman de Almeida e Christian Piana, o livro traz histórias e contos da cultura moçambicana a partir dos relatos recolhidos por Piana e suas fotografias. Editado pela FTD, o livro tem seu aspecto paradidático, mas tem uma leitura super bem-humorada e agradável para lermos e conhecermos um pouco desta cultura.

 

 

 

INFÂNCIAS, editado pela Sesi-SP foi premiado na categoria Literatura em Língua Portuguesa. E na

 minha opinião não poderia ser outro mesmo. Sabe porque? Os autores, José Jorge Letria e José Santos, brincam com a questão da língua até com o próprio nome! O livro traz em uma espécie de bate-volta, poemas e versos cada qual em sua particularidade. O primeiro, português. O segundo, brasileiro. E claro, em comum a língua. Mas sera tão em comum assim? Falando sobre os encantos da infância, o troca-troca entre autores sobre esse mundo em particular encontra a perfeição com a dobradinha de Guazelli e Cátia Vidinhas. O livro já foi apresentado por mim, por aqui. Que tal conhecer mais?

 

 

 

O DIÁRIO DE BLUMKA, foi vencedor do prêmio Adaptação/Tradução para crianças. O livro é escrito e ilustrado por Iwona Chmielewska e conta a história de Blumka, uma das 200 crianças judias órfãs em Varsóvia no pré-guerra. Através das páginas de seu diário, conhecemos as peculiaridades dessas crianças que convivem juntos em uma grande casa, até que a guerra tem seu início. O prêmio é direcionado ao tradutor, João Guimarães, que não só traduz livros como os escreve e ilustra também, já tendo publicado outros títulos. Vale conhecer esse super trabalho. Ainda não tive a oportunidade de ler este livro, espero que em breve consiga trazer essa dica para vocês!

 

O MENINO NELSON MANDELA, de Viviana Mazza, foi ganhador do prêmio Tradução/Adaptação Informativo. O livro traz a história da infância de Nelson Mandela através da narração da Vó Nombulelo. Silvana Leite, tradutora da obra é a grande premiada. Nesta história, de perfil biográfico, apresentamos as peculiaridades da África do Sul com toda sua desigualdade e segregação racial e os caminhos que Mandela percorreu até se tornar o primeiro presidente negro de seu país. Este livro é encantador e traz de forma especial a questão da pluralidade cultural para as crianças.

 

 

 

BARBA AZUL, da premiadíssima Anabella López, foi premiado na categoria Tradução/Adaptação Reconto. Susana Ventura, tradutora da obra, é a grande premiada. O livro reconta a clássica história de Charles Perrault da qual eu sou apaixonada. Anabella traz de forma impecável toda a força desta história que atravessa gerações. Como sou muito suspeita, já já tem a resenha dele por aqui!

 

 

 

SR. CHACAL, NOITE DE GALO,  editado pela Editora Biruta, foi vencedor na categoria Escritor Revelação, premiando a autora Elissa Khoury Daher. Sim, não se deixe enganar pelo nome, a autora é brasileiríssima. Descendente de família libanesa, a autora escreveu sua primeira história inspirada nas histórias que ouvia quando criança e que foi recontada por gerações. A história é ilustrada por Rubens Matuck, com lindas aquarelas. E caprichando mais ainda, o livro é bilíngue em português e árabe. Não consegui achar o livro em nenhuma livraria próxima, curiosos por aqui!

 

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload